Image Map

Bring Me To Life | Capítulo 1

em 6 de maio de 2014 |


   
Bring Me To Life - Daniella Menezes        




Sai correndo do meu quarto, passando pela sala, ouvi minha mãe dizer “Liam o que está acontecendo?” Sem ao menos respondê-la sai de casa sem dá explicação, eu queria sumir, queria me enfiar em um buraco e nunca mais sair de lá, eu queria morrer. Andei dois quarteirões, ou melhor, corri, eu ia até a casa dela, ia até a casa daquela que tinha acabado com a minha vida e com o meu mundo perfeito. Assim que cheguei bati na porta, ninguém atendeu, bati mais forte, até que alguém abriu a porta e eu a vi.
- O que foi Liam?
Ela disse serenamente.
- Eu não acredito Hannah, não acredito que fez isso comigo! (Eu gritava com ela)
- Isso o quê? Pode me dizer do que está falando? E por favor, para de gritar!
- Não se faça de idiota eu já sei de tudo, sei que você está me traindo com o Dean.
Ela me olhou assustada.
- E.. Eu não faço ideia do que você está falando!
- Não minta para mim! (Eu fui para cima dela pressionando-a contra a parede) – Não minta! Seja mulher suficiente pelo menos uma vez na vida e diga a verdade!
- Já disse que não sei do que você está falando!
- Para de mentir, e me diga a verdade! (Eu soquei a parede e ela se assustou)
- Se é a verdade que você quer então aí vai ela, eu te traí sim, e trairia de novo, só para poder me arrepender e dizer que eu sou uma idiota e que você não merece isso!
- Eu te dei tudo, te dei meu amor, carinho, conforto, te dei uma razão para viver, e o que você fez? Você acabou com tudo, com tudo!
- Vai adiantar dizer que eu me arrependo?
- Não! Você acabou com tudo, você acabou com a minha vida! (Eu gritei e me afastei dela)
- Não foi minha intenção!
Ela gritou de volta.
- Eu não quero te ver nunca mais Hannah, nunca mais!
Me virei e comecei a andar, quando ia curvar a rua ouvi ela me gritar, mais continuei andando.
- Liam espera! Me desculpa, eu.. Eu te..
Parei, e me virei lentamente, será que ela iria dizer àquelas palavras que nunca havia dito antes.
- Você o que Hannah?
- Eu... É eu te... Eu sinto muito!
Ela agora chorava, enquanto eu segurava minhas lágrimas para elas não caírem.
- Esse é seu problema Hannah, você nunca vai ser capaz de dizer eu te amo!
- Eu sou capaz de dizer Liam..
- Então diz! Diz que me ama Hannah, quero vê se você consegue! (Eu a desafiei)
Ela olhou para o lado e em seguida me olhou novamente.
- Eu gosto de você Liam.
- Tá vendo, é disso que eu estou falando!
- Eu gosto de você, isso não é o suficiente?
- Não Hannah, não é e nunca foi! (Me virei e voltei a andar)
- Liam espera!
- Não Hannah, acabou me esqueci, eu vou fazer o mesmo!
- Duvido que você consiga me esquecer!
- Acha que eu não consigo? (Eu me virei encarando ela) – Você acha?
- Eu tenho certeza!
Ela se aproximou de mim, passou a mão pelo meu abdômen, depois subiu para meu pescoço e por fim passou as mãos em meu cabelo.
- Hannah..
- Você não vai conseguir me esquecer Liam, ninguém vai te dá o que eu ti dei!
Eu a empurrei.
- Você tem razão, ninguém vai me dá um par de chifres!
Virei-me e segui em direção a minha casa. Eu a amava mais não suportaria continuar com ela sabendo que ela me traiu. O que mais doía é que depois de tanto tempo ela não tivesse nem um pouco de consideração por mim. Desde quando me entendo por gente eu sou apaixonado por ela, começamos a namorar nos tínhamos dezesseis anos, sou apenas alguns meses mais velho que ela. O meu primeiro beijo foi com ela, minha primeira vez foi tudo com ela e vice-versa. Eu não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo depois de quatro anos juntos ela me apronta essa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Hey! Obrigada por comentar! ♥
— Por favor, se comentar em anônimo deixe seu nome, apelido ou o que preferir no final do comentário como assinatura.
— Não use xingamentos e não desrespeite qualquer membro deste blog, desde leitores á autores.
— Comentários maldosos serão apagados.
— Críticas construtivas são bem aceitas.
— Cada um tem sua opinião, então respeite.
— Não esqueça que seu comentário nos anima a postar cada vez mais.